3 de janeiro de 2015

5 PROJECTOS PARA 2015



Tinha que fazer isto, claro, não há volta a dar. Mesmo que seja piroso, muito batido e antiquado. Na verdade já não me lembro das resoluções do ano passado, mas sei o que fiz durante o ano.

2014: Selecciona-se sempre o que é bom e positivo (surfar, patinar...), mesmo assim tenho presente que o ano foi dureza. Pouco descanso nocturno e consequentemente alguma rabugice. Sempre com os trocos contados (e consequentemente alguma rabugice mais) e uma rotina muito cerrada (e consequentemente ainda mais rabugice e falta de paciência). Houve sempre consciência para respirar fundo e ganhar ainda mais força. Agora temos uma super couraça de resistência.
Resumo: 2014 foi o ano de todas as couraças. 

2015: a ideia é traçar uma estratégia. Nem todos os objectivos são imediatos - pelo menos um (a viagem de uma vida) - é a longo prazo. E precisa de dedicação. Para além de mapas vai ser preciso estudar um bocado. Não sei se algum dia se chegará a realizar porque é preciso determinação e sei que não me sobra muito tempo livre para ela. Logo se vê. É uma coisa que pode acontecer daqui a 10 anos, há tempo.

Continuo de baixo para cima - a ideia de esvaziar gavetas começou o ano passado. Quando chegámos à casa nova o roupeiro era menos de metade do anterior. Em vez de comprarmos outro roupeiro decidi começar a ver-me livre de roupa e o processo continua a decorrer, lentamente. Quando compro uma coisa nova tiro três ou quatro antigas. O contentor da Cáritas agradece.

A aventura criativa é simples: são projectos, ideias na gaveta. Queria aproveitar este ano para abrir a gaveta.

Trabalho de graça. Parece palerma, e é. Salvo raras excepções não relacionadas com trabalho, não farei trabalho à borla. Para um designer a frase "desenrasca-me aí um boneco" ou "são só umas alterações" é frequente, e nós cedemos. Só que este é o meu trabalho e eu preciso de receber para pagar as contas, como um canalizador, uma cabeleireira, um enfermeiro, é um trabalho como outro qualquer. Há situações diferentes, em que a pessoa está a pedir uma coisa e a ideia dela não é lucrar com o nosso desenho, aí faço pro buono da melhor vontade, se estiver disponível. Para fins lucrativos a história é diferente.

Dormir, desenhar e ler mais. Ainda posso acrescentar continuar a aprender a surfar, a patinar. Tenho esperança que nesta casa se durma mais e melhor. Para desenhar e ler é preciso tempo, mas gostava de me inscrever na biblioteca e acho que 2015 é o ano.

Resumo: Sei que algumas destas coisas vão acontecer de certeza, outras não. O mais importante de tudo é tentar e conseguir ficar descontraída. Esta lista é um clichê, mas que se lixe, se não houver projectos não saímos da cepa torta e mais que nunca, a ideia feita de que o português reclama sentado à sombra da bananeira é para ser contrariada. 
Nós não somos nada preguiçosos, pá!

Outros balanços (ou coisa parecida) que li por aí
e/ou oportunidade de bisbilhotar outros blogs:

Vida Madrasta
Boas intenções
Mabíssima
Viver todos os dias
O blog do desassossego
A casinha da boneca
Afonso, o cão de loiça
Pipoco mais salgado

Sem comentários:

Enviar um comentário