25 de julho de 2015

3 X IRRA

Há uns minutos li este artigo sobre as novas crianças totós que não têm direito a intervalos e brincam de menos porque os pais trabalham de mais (entre outras coisas),


e ainda li este, já com uma angústia na garganta, que comprova que a espécie humana tem, não raras vezes, um Q.I. inferior ao de uma hiena,

e começo a acreditar que o planeta azul não merece uma coisa tão pateta como ser ocupado por nós. E a acreditar que se por alguma razão a natureza, o Cosmos, Deus, Alá, ou Shiva, ou seja qual for a entidade em que se acredita, decidir transformar isto tudo em micro poeiras, não se perde assim tanta coisa boa como isso. Que tristeza. Nestes dias sinto-me infeliz e impotente. Como é que conseguimos ser tão excepcionais em algumas coisas e tão idiotas noutras? Porque é que somos tão hábeis a criar sistemas anti-natura e depois tão ridículos a tentar viver neles? Há dias em que leio os jornais e fico totalmente desmotivada. Sou demasiado idealista. E provavelmente ingénua. Sinto-me a Mafalda, a Contestatária. Espero que pelo menos as escolas mudem um bocadinho antes de a punk Zola ir para o ensino básico.

(se só houver tempo para ler 1 dos 3 artigos, sugiro fortemente o primeiro, que alerta para uma série de coisas importantes e é muito pertinente).



2 comentários: