18 de outubro de 2015

ILUSTRO LOGO EXISTO




© Direitos reservados ao semanário Região de Leiria

O facto de fazer pouco mais que trabalhar nos últimos tempos, obriga-me a falar de trabalho aqui no blog. Efeitos colaterais =). Este foi um dos vários projectos do último mês ao qual dediquei tempo, esforço e alma. Não foi o único, mas teve bastante impacto porque ocupou grande parte da minha agenda e (ainda) tive o prazer de voltar a ilustrar. 

O jornal regional Região de Leiria celebrou o seu 80º aniversário e para marcar a data ofereceram a edição, à imagem do que aconteceu há 80 anos atrás. No meio de tudo o que uma data destas implica para uma publicação, fui contratada para ilustrar retratos de várias personalidades da região e aproveitei a oportunidade para pôr a minha caneta a pintar quilómetros de linhas, manchas e cores. 

O facto de serem retratos aumenta sempre a fasquia na hora da avaliação - o visado é sempre o mais exigente dos críticos e naturalmente quem tem mais coisas a dizer. O papel do ilustrador é olhar para a pessoa e reproduzir o que vê: a parte engraçada desta questão é que todos vemos tudo de maneira diferente (felizmente, não é verdade? Ufa, ufa), logo, dificilmente haverá dois ilustradores a retratar uma pessoa da mesma forma. Cada visão, cada retrato. Esse é o fascínio desta área - acho que é por isso que se chama plástica. Porque é elástica, molda-se, interpreta-se e apresenta-se de diferentes formas. Um exemplo: para mim as sobrancelhas foram uma das partes mais engraçadas de fazer no processo, porque mesmo sendo um elemento em que mal reparamos, são um traço fortíssimo da nossa face. 

Há ilustradores exímios (categoria de artistas) que retratam de uma forma tão estupenda, que mesmo o retrato ficando diferente da pessoa real, é possível reconhecê-la no desenho. Estes desenhos normalmente estão minados de traços do artista, transbordam personalidade e são únicos e maravilhosos. Um bom exemplo disso, que tenho seguido, é a catalã Maria Herreros. Adorava fazer um workshop com ela. No que toca às artes, a formação é um investimento contínuo e infinito.

Quando escrevi o título deste post quis fazer um paralelo brincalhão à máxima de Descartes "penso logo existo" mas o meu primeiro pensamento foi "Ilustro logo sou feliz" que é muito mais simples e para mim uma verdade incontestável. Sou feliz cada minuto que desenho e acho que só estou a descobrir isso só agora. 

4 comentários:

  1. I love the post! Have a nice weekend:)

    irenethayer.com

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Thanks a lot Irene! I'm glad! Have a nice Sunday and a great week ;)

      Eliminar
  2. Com isto fiquei a saber que o presidente da câmara da nazaré se chama Walter Chicharro.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Só? E também que eu ilustro de forma espectacular!

      Eliminar