11 de janeiro de 2016

ZIGGY PÓ DE ESTRELAS

Ziggy Stardust

Aladin Sane

The Rise and Fall of Ziggy Stardust and the Spiders from Mars / Rex Features


Rebel Rebel (Diamond Dogs )


Apesar de saber que há pessoas que não morrem nunca, hoje o dia começou triste. Há coisas que simplesmente não podiam acontecer. Quase me engasguei com as torradas quando ouvimos na rádio que o Major Tom tinha abandonado o planeta Terra, e ainda agora continuo pouco resignada.

Ouvi pelas primeiras vezes o David Bowie nos anos 80, mas foi só no início dos anos 2000 que decidi comprar uma catrefada de cd's dele, que estavam cheios de pó, numa loja escura em Carrer dels Tallers, em Barcelona. Foi nesta altura que conheci verdadeiramente a carreira de um dos fudadores do glam rock e vesti a t-shirt de fã (produzi uma, especialmente, que tinha impressa a capa da revista Rolling Stone). Desde então, o David Bowie tem sido para mim o ídolo intemporal. Existiu sempre, construiu a carreira mais criativa que conheço e borrifava-se literalmente nas convenções, era quem queria. No meio de estilos tão mutantes, eu gosto mesmo é da fase dos 70's.

É dele uma das músicas que costumo dançar semana sim, semana não, com a punk Zola - o Rebel Rebel (uma das minhas preferidas). "Mamã põe o Bébel Bébel" é uma frase engraçada que oiço com frequência. Na curta existência do Mexicola Girl, já publiquei várias vezes fotos do David Bowie, acho que por ele ser incrivelmente carismático, algumas estão aqui, num post de 2012 (caramba! O tempo voa à séria!). E fotos que valem muito a pena aqui também.

P.S. (acho que nunca tinha chorado por me morrer um ídolo, mas há sempre uma primeira vez).


1 comentário:

  1. estou contigo sobrinha...eu parei o carro...e tive de engolir em seco! não estava mm à espera!

    ResponderEliminar